Antena Livre
Deseja receber notificações?

IA: Perito português em inteligência artificial alerta para riscos da nova tecnologia

26/05/2024 às 12:32

O investigador em Inteligência Artificial (IA) Luís Moniz Pereira mostrou-se hoje preocupado com o impacto da tecnologia no mercado laboral e considerou que Portugal deve ser mais proativo na regulação do setor.

Na Europa, foi já aprovada o pacote de regulamentação para o setor, mas esta legislação só tem efeito daqui a dois anos, o que Moniz Pereira entende ser um problema, a que se soma ausência de mecanismos de controlo.

“Qualquer empresa, qualquer programador pode desenvolver ferramentas que podem causar danos muito grandes”, afirmou à Lusa, salientando que o mundo também não está atento ao impacto social, quando grandes fatias de trabalho forem entregues a instrumentos de IA.

“Há uma falta de previsão em relação a consequências [da IA] e estou a pensar especificamente em consequências sobre o desemprego e o subemprego”, observou o diretor do Centro de Inteligência Artificial na Universidade Nova de Lisboa e autor do livro Máquinas Éticas.

Os “governantes e outras entidades dizem: acabam uns empregos, mas criam-se outros, mas isso não está estudado” e “não está a ser feito um estudo sobre quais são [as consequências], em que quantidade e com que probabilidade”, salientou.

A “filosofia da nossa época, o que interessa, é ganhar mais dinheiro, mais negócio, ganhar o mais possível e é a ganância” e a IA vai permitir o surgimento de novos protagonistas, com um impacto social grande, considerou.

Por outro lado, disse, há muitos países que não têm ferramentas desenvolvidas e podemos assistir a “um novo colonialismo de informática e, especificamente, de Inteligência Artificial”, com a redução de línguas locais ou idiomas menos falados.

Por muito extraordinária que a tecnologia seja, ainda só existem “coisas básicas”, porque, a médio-prazo, a IA vai substituir grandes fatias da população, previu.

A IA “entra no nível cognitivo”, algo que “é novo até em relação a revoluções industriais anteriores” e quebra uma área que “ainda é do monopólio humano”, explicou o responsável do Centro de Inteligência Artificial na Universidade Nova de Lisboa.

No futuro próximo, “esse monopólio vai ser substituído por máquinas” e, mesmo que as pessoas tenham formação, o numero de novos empregos será inferior aos que forem extintos.

Além disso, “quem é que vai monitorar a aplicação da legislação?” – questionou, salientando que entregar essa responsabilidade a mecanismos privados poderá ser um problema.

Além disso, o pacote legislativo europeu “prevê que, em cada país, se crie uma comissão de monitorização” e, nesse capítulo, Portugal está já atrasado.

“Em Portugal ainda não foi nomeada essa comissão, embora noutros países já tenha sido”, lamentou, considerando: “nós não podemos estar simplesmente à espera de que a Europa nos diga o que fazer, também temos obrigação de contribuir para a opinião europeia”.

Por outro lado, o docente emérito da Universidade Nova julga que a regulamentação deve ser “mais apertada”.

“Eu temo que possa haver tragédias", por falta de regulação, avisou, salientando que o crescimento está a ser exponencial e o legislador não está atento ao problema.

Lusa

Partilhar nas redes sociais:
Partilhar no X
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - junho 2024
Jornal de Abrantes - junho 2024
PUB