Antena Livre
Deseja receber notificações?

Alcanena: Associação Materiais Diversos assinala 20 anos a "aproximar as pessoas e as artes"

18/09/2023 às 17:57

A 12.ª edição do Festival Materiais Diversos (FMD) vai realizar-se de 05 a 15 de outubro em Alcanena e Minde, vila 'berço' do festival, “com um programa que pretende continuar a aproximar as pessoas e as artes contemporâneas”.

Elisabete Paiva, diretora artística da Materiais Diversos, associação com sede em Minde (Santarém), que assinala 20 anos em atividade, disse hoje à agência Lusa que a programação deste ano vem aprofundar a “prática de tornar visível o movimento de relações, de construção de parcerias, de encontros, de convívio”, desenvolvida na programação regular ao longo de cada biénio que separa os festivais.

“De facto, nos últimos 20 anos a Materiais Diversos tem mantido o tónus da sua missão, e os nossos dois grandes eixos de trabalho são o apoiar a criação e investigação artísticas, através do apoio à produção de espetáculos na área da dança e a sua posterior circulação a nível nacional e internacional, e também a aproximação dos diferentes públicos (…) às artes, nomeadamente à dança”, num “trabalho continuado” e a que o FMD vem “dar corpo”.

Segundo Elisabete Paiva, ao longo do ano são desenvolvidas “inúmeras atividades, algumas mais formativas, outras mais de programação, como é o caso do Festival Materiais Diversos, que surge em 2009 para dar corpo a este eixo e permitir na zona do Médio Tejo a passagem de espetáculos com qualidade idênticas a qualquer teatro e espaço cultural em Lisboa, Porto ou mesmo fora do país”.

A programação é marcada pelo território onde o festival acontece, na Serra d’Aire e Candeeiros e no Polje de Mira-Minde, inspirada pelos “movimentos subtis” das montanhas, das rochas, da água, e com algumas atividades sobre a natureza e os rios, no Centro de Ciência Viva do Alviela.

"Nesta edição, além de procurar tornar visível aquilo que porventura será invisível a maior parte do tempo para a restante comunidade de colegas [o trabalho feito pela Materiais Diversos nos últimos anos], queremos também tornar visível este movimento de desaceleração que vimos experimentando de forma mais decisiva desde 2020", afirmou.

Elisabete Paiva salientou o facto de o programa não ter, "propositadamente", uma hierarquia entre atividades principais e complementares, entre artistas profissionais e não profissionais, e de permitir "a qualquer tipo de público, mediante os seus interesses, navegar com alguma calma, com algum tempo, em roteiros diários ou de vários dias", tendo a experiência da programação, mas também a de "estar no lugar com as pessoas que tornam possível ou inspiram" o festival.

O FMD arranca no dia 05 de outubro, feriado municipal em Alcanena, com a criação de um “ponto de encontro” no meio da Praça da República, onde, com as coletividades e associações, se vai falar do festival, degustar iguarias locais, brindar e dançar.

“Decadência”, de Cátia Terrinca/UMCOLETIVO, a partir do texto homónimo de Judith Teixeira, num trabalho de redescoberta de escritoras portuguesas do século XX, tem estreia marcada para esse dia, às 19:30.

“Mais uma vez, mas este ano com maior profundidade, o Festival Materiais Diversos valoriza o trabalho desenvolvido junto de artistas com os quais estabelece relações de continuidade”, lê-se na nota de imprensa de divulgação do festival.

Além do trabalho de Cátia Terrinca, que apresentará, ainda, “Mil e Uma Noites”, a partir de mulheres do concelho de Alcanena com produção literária, será mostrada a coprodução “KdeiraZ”, de Natália Mendonça, “espetáculo para crianças que traduz um investimento continuado na aproximação de jovens públicos à dança, nomeadamente através de oficinas e residências artísticas”.

No âmbito do apoio a artistas do distrito de Santarém, através da bolsa “Fios do Meio”, será apresentada a antestreia de “Didascálias”, de Giovanna Monteiro e Leonor Mendes, e, no âmbito da bolsa “Novos Materiais”, a criação “La Burla”, de Bibi Dória e Bruno Brandolino.

A partir do espetáculo “Coreografia”, projeto associado da Materiais Diversos em 2020-2022, João dos Santos Martins levará às escolas “Coreografia em sala de aula”.

Da colaboração com o Agrupamento de Escolas de Alcanena na programação regular que a Materiais Diversos desenvolve neste território, será mostrada uma exposição de materiais desenvolvidos nas oficinas “Corpo Comum”, orientadas por Marta Tomé e Raquel Senhorinho, com as turmas de 5.º e 7.º ano.

A programação inclui, ainda, a performance-instalação “Las Lámparas”, de Letícia Scrycky, em que som e luz são usados para procurar “ativar um estado primordial de observação como aquele que se sente quando se contempla o fogo”.

“All in the air is bird”, de María Jerez e Élan d’Orphium, “uma aproximação ao universo sonoro dos pássaros”, que “aprofunda uma pesquisa em práticas de colaboração entre elementos humanos e não humanos”, e “O Banquete das Saudades”, de Anne Lise Le Gac, que “propõe uma experiência partilhada através de sabores e receitas que falam de saudades”, são propostas que “incitam ao desaceleramento, desafiam a perceção e a memória”.

Na ligação a “outros territórios”, o FMD apresentará “Boca Fala Tropa”, de Gio Lourenço, colocando “à vista trânsitos entre Angola e Portugal”, e “a besta, as luas”, uma performance de Elisabete Francisca, que, “através de gestos e sons, enuncia uma representação possível da geografia política de um corpo não submisso”.

Na música, o FMD traz, dia 08 de outubro, Bernardo Branco, com “Cantar de Ouvido”, álbum de música popular e urbana que será lançado em breve, e chica, com “as sonoridades do folk, anti-folk e jazz em parelha com o elemento principal da sua música – o diálogo” a encerrar o festival a 15 de outubro.

Além do “ponto de encontro”, que estará na Praça da República de 05 a 07 de outubro e no Cineteatro São Pedro de 10 a 14, voltam as “mesas longas”, com atores e parceiros locais a discutirem temas como “o papel das comunidades de aprendizagem na educação, a conservação dos rios e ecossistemas ribeirinhos, o futuro dos jovens ou o papel das instituições culturais”.

O programa deste ano inclui um seminário sobre “Companheirismo e colaboração – práticas artísticas para a sustentabilidade”, orientado por Carolina Cifras, Simone Frangi e Clara Antunes, e diversas outras iniciativas.

Lusa

Foto: © Estelle Valente

 

Partilhar nas redes sociais:
Partilhar no X
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - julho 2024
Jornal de Abrantes - julho 2024
PUB