Turismo: Museu da Geodesia reabre e mostra "O bolo de chocolate mais feio de Vila de Rei" (C/ÁUDIO e FOTOS)

5/02/2022 às 15:12

Há um ano Paula Gamito e João Rosa, com os seis filhos, não esperariam, com toda a certeza, reiniciar uma vida no centro de Portugal. Mas há planos que são muito bem delineados e preparados ao longo de muito tempo e há outros que surgem com paixões arrebatadoras. E foi isso que aconteceu com este casal.
Deixaram Lisboa, um restaurante vegetariano e o trabalho em marketing, e assentaram de armas e bagagens em Vila de Rei.

Há, no entanto, algo que o casal tem em comum. Melhor, duas coisas, pelos vistos. Uma delas com uma vontade empreendedora notável. A outra a paixão por Vila de Rei, território e gentes desta terra beirã a cheirar a Ribatejo.

Quando, em meados de 2021, o casal começou a desenrolar uma ideia de futuro, que está em marcha, um hotel rural ecológico, já tinha na bagagem outro tipo de atividades. Uma delas, na destilaria, a produção de absinto. A segunda uma horta de produção de ervas e plantas aromáticas, que acabam, depois, por “distribuir” por outras casas comerciais e que servem para o desenvolvimento dos seus produtos.

Mas enquanto o hotel rural enfrenta a bateria de licenciamentos necessários, a Paula e o João entenderam concorrer à concessão do Museu da Geodesia, bem no alto do Picoto da Melriça. E entre o Museu da Geodesia, que marca o Centro de Portugal, nomeadamente o Centro Geodésico de Portugal, a pequena cafetaria que ali existe ganhou vida.

Passou a chamar-se “Rosa dos Ventos” porque “é o centro do mundo”, diz orgulhosa e com sorriso aberto a empresária. O nome faz todo o sentido no local onde está. Depois porque dos janelões a leste e norte pode o visitante apreciar a paisagem das beiras e, em dias límpidos, até pode ser vislumbrada a Serra da Estrela. E se estiver coberta de neve ainda melhor se vê.

Paula Gamito explica como tudo começou

Paula Gamito (ao centro) e João Rosa (à direita) são os empreendedores da Rosa dos Ventos 

Depois o casal já tinha em Lisboa o “bolo de chocolate mais feio de Lisboa”, pelo que importou e adaptou a ideia com o lançamento do “bolo de chocolate mais feio de Vila de Rei”. E a promoção está bem à vista de todos na promoção no exterior, para que os visitantes e os turistas possam “comprar” uma prova e entrem no Museu.

Quanto ao bolo, já lá vamos, Paula Gamito explica com muita simplicidade como é feito, porque, para choque de todos, o bolo, inteiro, é bem bonitinho.

Nesta ideia do Museu, das casas de xisto perto do picoto que marca o Centro Geodésico de Portugal, os proprietários da “Rosa dos Ventos” pensam numa mão-cheia de ideias para desenvolver dentro e fora do Museu. Acima de tudo querem atrair visitantes e crianças, no sentido de poderem explicar o que é a geodesia e que marco é aquele que ali está com listas brancas e pretas.

De acordo com os empresários, numa segunda fase, há a ideia de “procurar uma parceria com a Direção-Geral do Território para dinamizar o Museu junto das Escolas e dos parceiros da Rota da Estrada da Nacional 2 de forma a divulgar a ciência da Geodesia no panorama nacional e mundial.”

Há, por outro lado, uma enorme vontade de criar “parcerias com outros espaços de forma a valorizar o turismo da região e os produtos endógenos locais.”

Paula Gamito revelou que “vamos trazer os nossos produtos para aqui, os nossos chás, as nossas ervinhas e colocar cá outros produtos do concelho.”

Paula Gamito diz que, nesta paixão por Vila de Rei, têm muitas ideias que deverão culminar no Hotel Rural “Encosta dos Gamitos”, uma unidade a ser construída numa encosta perto da praia fluvial do Bostelim. Trata-se de uma unidade com quartos totalmente enquadrados na paisagem natural, com piscina e com uma zona de agricultura biológica.

Em 12 de junho de 2021 a Antena Livre tinha noticiado que tinha dado entrada nos serviços do Município de Vila de Rei o processo de licenciamento de um hotel rural para a zona da praia do Bostelim.

Os investidores mantêm a ideia de avançar com um projeto de sustentabilidade que aposta para além da unidade de alojamento para uma “quinta agrícola”, “com base numa agricultura biológica: plantas aromáticas, oliveiras, videiras, zimbro, como base de uma destilaria onde se fará a produção de destilados – principalmente Absinto”. Mas esta proposta dos empresários aponta ainda à “criação de uma marca de chás, condimentos, doces e compotas com os excedentes. No futuro, um mini lagar, para promover o “como se faz” da oliveira até ao fio de azeite”.

Paula Gamito explica o conceito da "Rosa dos Ventos"

Quanto ao hotel rural terá dois pisos com 6 unidades de alojamento, com instalação sanitária privativa, sendo uma das unidades acessível a cidadãos com mobilidade condicionada. Tem depois, como é normal, as áreas técnicas, de estar, receção, cozinha e uma piscina biológica, prevista para o exterior.

Este é o processo que atravessa os corredores dos licenciamentos necessários numa área ecológica e sensível, pois fica situada no meio da floresta.

O “bolo de chocolate mais feio de Vila de Rei”

Quanto ao bolo, que de feio não tem nada. A ideia já vem de Lisboa, onde viviam os empresários. Depois foi uma questão de marketing e colocar a mesma ideia no centro de Portugal. E o local é procurado por turistas e por todos quantos circulam pela Rota da Estrada Nacional 2.

Vamos ao nome. O nome surgiu porque, disse Paula Gamito, “é um bolo que não leva farinha, não tem glúten, não tem lactose. É um bolo mole.” E a empresária não tem problema em dizer quais são os ingredientes: “É feito com açúcar de côco, óleo de côco, ovos locais frescos, do dia, com cacau. E com estes ingredientes, se o bolo estiver quente ou não estiver no fresco começa a derreter. Fica tipo mousse.”

E, explicou ainda Paula Gamito “quando se parte, derrete e fica feio. E para não defraudar expectativas dizemos que ele é feio.” É claro que acabam por receber é a ideia contrária, de que o bolo não é feito. E nesta sexta-feira, 4 de fevereiro, na apresentação do “novo” Museu da Geodesia com a “Rosa dos Ventos” as fatias, ao fresco, estavam bem direitinhas.

Paula Gamito mostra o seu "bolo de chocolate mais feio de Vila de Rei"

Houve ainda tempo para provar o “fudge de gengibre”, outra das especialidades da Rosa dos Ventos, naquele que é mais um produto que tem tudo a ver com o conhecimento dos empreendedores.

Quanto aos turistas que circulam pela Estrada Nacional 2, entre as fotografias do Picoto que marca o Centro Geodésico do país, ou o certificado de presença naquele local, o João e a Paula criaram um carimbo especial para o Passaporte da EN 2. Em vez com tradicional carimbo com tinta, a “Rosa dos Ventos” tem um “selo branco”, à moda antiga. E que leva o passaporte sai com ele “vincado” pelo selo branco do Centro de Portugal. João Rosa explicou que a ideia foi fazer um “carimbo diferente de todos os outros para marcar a diferença.”

Agora, para além do Museu da Geodesia, das fotos do Picoto, dos carimbos da Nacional 2 passa a haver também o “bolo de chocolate mais feio de Vila de Rei”.

O Museu do Centro de Portugal

O Museu de Geodesia, situado no Centro Geodésico de Portugal, reabriu as portas ao público neste sábado, 5 de fevereiro, depois de realizados pequenos trabalhos de manutenção e beneficiação.

O Museu fica situado ao lado do Picoto da Melriça, a 592 metros de altitude. Este é um dos primeiros marcos geodésicos do país, tendo estado na origem do sistema de coordenadas geográficas associado ao Datum 73, o sistema de referência nacional. Foi Francisco António Cieira quem escolheu o topo desta serra como um dos pontos da triangulação fundamental em Portugal. Os trabalhos arrancaram em 1790, mas foram interrompidos treze anos depois devido às invasões francesas.

Já no interior do museu há uma exposição permanente com os painéis que reúne, entre outros instrumentos, o Nível de Precisão de Brito Limpo, a Luneta de Passagem Repsold ou o Cronógrafo Favag.

Com uma altitude de quase 600 metros, este local permite ao seu visitante uma visão de 360º sobre um horizonte vastíssimo, em que se destaca a Serra da Lousã e, com tempo limpo, a Serra da Estrela, esta quase a 100 quilómetros de distância.

O Museu de Geodesia vai funcionar das 09h00 às 17h00, sem interrupção da hora de almoço.

Galeria de Imagens

Partilhar nas redes sociais:
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - novembro 2022
Jornal de Abrantes - novembro 2022
PUB